07 março 2017

O Labirinto das Moiras - Resenha

Olá meus amores tudo bem?
Estou devendo resenha de livros para vocês né? Peço desculpas pois janeiro e fevereiro foram meses muito difíceis para mim e minha família. Mais em nome de Jesus, março só terei bênçãos!
Começo março com um livro que recebi em fevereiro: O Labirinto das Moiras.
Não fiz vídeo dessa vez porque estou reorganizando meu canal e o blog.  Como falei, meu ano não começou tão bem. Mais estou me reorganizando e prometo que irei colocar tudo em ordem para vocês para ontem, ok!
Chega de papo e vamos lá!


Sinopse:
Pode-se fugir do Destino? Marina passou a vida inteira debatendo-se com essa questão em meio a ecos de seus vazios de alma até aquele dia frio de 1984, quando se deparou com um enigmático homem cego dizendo ser o próprio Destino, num casarão abandonado em São Paulo. Com a promessa de que finalmente obteria as respostas sobre os desaparecimentos do pai e do namorado Daniel no vácuo da ditadura militar, Marina inicia uma relutante jornada de volta a Brasília, tendo em mãos uma pequena caixa com as filigranas PZ entalhadas, uma chave e um pedido do Destino. Uma mulher idosa com uma chave na mão luta para resgatar as lembranças que lhes chegam em lapsos tão impessoais, que mais parecem fazer parte da terra sobre a qual repousa que dela mesma. As memórias destas mulheres de gerações tão distintas parecem fazer convergir presente e passado, de histórias de um naufrágio de imigrantes italianos a caminho do Brasil aos anos de perdas e silêncios impostos da ditadura. Acontecimentos históricos acabam por se revelar mero pano de fundo para a história de amor que entrelaça as vidas de Pietro Zanetti, Anna e Cecília num labirinto oculto nos profundos olhos cegos do Destino, revelando de fato sua eterna busca de redenção, por ter ousado por uma única vez, em sua eterna e tediosa existência, apaixonar-se por uma mulher.

Como o a obra foi criada?
“O Labirinto das Moiras” teve início quando Tânia estava em tratamento para a Hepatite C, em 2011. Na época, apenas 40% dos pacientes mostravam resultado ante as intermináveis injeções de Interferon. Esse número lhe causou uma angústia aguda e um medo crônico de ter um futuro e presente roubados de si.
E é justamente essa falta de livre-arbítrio e individualidade que a autora explora em sua narrativa. Utilizando a mitologia grega como inspiração, Tânia trilha o caminho que o Destino faz, cego ante às próprias amarras e limitações, porém perdidamente apaixonado pelos truques que o amor realiza com todos os seres. Como se fosse mais uma artimanha do próprio Destino.

Quem é a autora?
Tânia Calciolari é mãe, esposa, irmã e filha. Nasceu em Araras/SP, passou boa parte da vida em Uberaba/SP, mas desde 2007 mora em Brasília. Formou-se em 1999 em medicina pela UFTM, e atualmente é especializada em radiologia. Acredita que ser médica e ser escritora são tarefas essencialmente ligadas à empatia, à capacidade de se colocar no lugar de outro, de ser o outro, seja para ter a sensibilidade suficiente para dar a notícia de uma lesão suspeita, seja para criar uma personagem.


Resenha / Minha opinião:
Todos sabem que minhas resenhas já incluem minhas opiniões né?
Pois é, começo falando o quanto eu fiquei presa ao livro do início ao fim. Livro maravilhoso que as pessoas deveriam ler!
Mas antes, o que seria essa tal “Moira”?
As moiras, na mitologia grega, eram as três irmãs que determinavam o destino, tanto dos deuses, quanto dos seres humanos. Eram três mulheres lúgubres, responsáveis por fabricar, tecer e cortar aquilo que seria o fio da vida de todos os indivíduos. Moira, no singular, era inicialmente o destino. E no livro de Tânia Calciolari, as Moiras, são a nossa referência de destino.

“De certa forma, acredito que você já me conhece. Eu sou o Destino. E como entrei aqui? Bom, deve saber que não preciso de convite para entrar em parte alguma. Na verdade, eu já estou em toda parte”.
 (Pagina. 6)

 “O Labirinto da Moiras”, foi escrito pela autora Tânia Calciolari e publicado pela Editora Multifoco.
É ambientado na época da ditadura e imigração italiana e traz a história de duas mulheres como protagonistas, a Marina, uma garota que perdeu seu pai para o regime militar de uma forma drástica já no início do livro, (ele foi torturado).
Além de perder seu pai, Marina perde seu amor também, eles foram separados.
A outra história é da Anna uma mulher sofrida, que também foi separada de seu grande amor. No caso da Anna, por um naufrágio quando estavam partindo da Itália para o Brasil.
Porém, Pietro seu amor, não procurava mais por Anna porque achava que ela estava morta. Mas Anna estando viva, precisou seguir sua vida em uma terra desconhecida de pessoas impiedosas. Mas seu sofrimento, foi a sua vitória.
Um outro personagem dessa história se chama DESTINO.
O mais legal desse livro que tem duas histórias separadas, simplemesmte por obra do destino, nosso terceiro personagem, se cruzam em um momento do livro.
É uma história tão marcante, com uma narrativa bem tão forte, que parece até que a história é real e que eu estava vivenciando tudo como um quarto personagem.
Realmente me surpreendi bastante com o livro!
Pois é, uma pena que as pessoas não valorizem os autores brasileiros. Eu amo e estou trazendo bastante deles para vocês, pois acho que deveríamos dar mais valor aos nossos preciosos autores.
Chega de preconceito minha gente! E aí, vai ler?
Espero que tenha gostado muito da resenha, fiz com muito amor. Um beijo e fique com Deus!

Beijos , fiquem com Deus!
Ary ♥

___________________________________________________________________________________



Me acompanhe também nas redes sociais:


INSTAGRAM: @aryalopes

FACEBOOK: /BlogAryanaLopes

YOUTUBE: Aryana Lopes

PINTEREST: BlogAryanaLopes



março 07, 2017 / by / 1 Comentários

Sugestões de presentes - Afiliados.